Basta navegar na internet ou ligar a TV para se deparar com uma série de notícias sobre o conturbado momento da política brasileira. Realmente, está cada vez mais difícil saber quais rumos tomará daqui pra frente, em meio a tantos escândalos e problemas. Porém, por mais que pareça não ter jeito, não podemos deixar de acreditar e pensar que nunca mudará. Mesmo com tantos esquemas sujos e desanimadores, ainda vemos casos admiráveis, como a gestão pública participativa. Esse modelo está mais atual do que nunca e entender seu papel é essencial.

Para isso, podemos nos informar com muitos meios, como cursos online que abordam o assunto passo a passo e sua aplicabilidade na sociedade atual. O Curso Online Gestão Pública Participativa, do Enfoque Capacitação, é o mais indicado para quem precisa entender tudo o que permeia essa área e seus valores democráticos. Afinal, enquanto existirem opções para fazer a diferença, sempre há esperança em construir um país mais justo e igualitário.

O tema de nosso artigo de hoje vai te fazer refletir e pensar em novas formas de buscar conhecimento em campos essenciais para a sociedade, como a política, que precisa estar em pauta sempre, ainda mais agora em que o Brasil clama por reformas e renovação em todo esse sistema, para acabar com esquemas sujos e crescer sendo uma nação melhor para viver. Acompanhe e saiba mais sobre gestão democrática, conheça cursos a distância da área e saiba como o Brasil pode crescer nessa pauta. 


Você sabe o que é gestão pública participativa? 

O próprio termo já diz muita coisa e revela seu objetivo. Sempre que se pensa em gestão pública, logo vem à cabeça os exercícios que visam o cumprimento de melhorias para a sociedade, com o objetivo de tornar uma série de atividades mais simples, garantindo os direitos básicos de todos os cidadãos.

Esse contexto, porém, vai muito além de um administrador que está em um cargo de destaque, como o prefeito de uma cidade, por exemplo. É claro que ele é apto a tomar decisões, mas não trabalha sozinho. Na teoria, é um representante do povo e deve zelar por seus eleitores, embora não seja algo que vemos em grande parte das cidades brasileiras.

De qualquer forma, é nesse âmbito que a gestão pública participativa se faz necessária. Se não temos políticos e líderes preparados para lidar com uma série de contratempos, é fundamental mostrar a eles que a comunidade está disposta a participar de todo o processo de melhoria dos mesmos, afinal, otimizar serviços traz benefícios para a sociedade em si. O papel do povo é muito forte e nunca deve ser descartado se há o objetivo de tornar uma cidade, um estado e até um país lugares mais dignos e justos para se viver. 

Fazer valer direitos civis, políticos e sociais, considerando sempre os direitos humanos e com foco educativo e informativo deve ser a meta principal de uma administração pública de excelência e que considera sempre a presença de todos em diferentes canais de comunicação. A Constituição Federal de 1988 garante que a participação popular é essencial para uma gestão pública eficiente, com debates, propostas e tudo que é pertinente ao meio social em geral, na plena efetivação da gestão pública participativa.

O problema, porém, é que o Brasil ainda caminha a passos lentos nesse processo e está longe de ter um processo que seja referência, assim como acontece em muitos países. Há muitos fatores que levam a isso, como a burocracia, falta de informação, pouco acesso à cultura e educação, ideologias políticas radicais, entre outros.

Mas, é preciso entender de modo geral que, independente dessas questões, é essencial que todos estejam interessados em compreender as leis e como fazer para participar de uma gestão pública democrática de diversas formas. Não precisa ser um expert no assunto e nem ter diversas graduações. A informação vale para todos e pode ser buscada de diversas formas, sobretudo na internet, com cursos online com certificado e opções que mostrem dados efetivos e confiáveis. Com um vasto material complementar, muitos cursos EAD certificam com competência e podem ser feitos quando você achar conveniente.

Cursos relacionados que podem te interessar:

Quais os canais mais indicados?

O principal problema quando se fala de gestão pública participativa é fazer com que ela deixe de ser apenas teoria e comece a funcionar na prática. Muitos especialistas criticam e dizem que não basta investir em grandes estudos e belos argumentos se isso não é divulgado, compreendido e transmitido para que as pessoas entendam o papel dessa pauta, comecem a refletir e coloquem a mão na massa.

A democratização da informação quando se trata de administração pública é fundamental e, felizmente, tem sido cada vez mais transparente com o tempo. O Portal da Transparência é um bom exemplo disso, embora ainda necessite de melhorias, como maior divulgação na mídia (pouca gente sabe de sua existência), facilidade de acesso e navegação otimizada para que todos possam consultar. Além disso, outros canais, por mais que pareçam pequenos, também ajudam e são indicados para ter noção e fazer valer esse processo realmente:

- Fóruns de gestão pública, com o objetivo discutir medidas, decisões e termos ligados à determinada comunidade. Embora grande parte seja direcionada a administradores desse setor, muitos são abertos para demais interessados.

- Conselhos de gestão democrática, método comum tanto para debates de assuntos relacionados à sociedade em si, quanto para colocar em pauta informações a respeito de empresas ou determinados órgãos.

- Grupos na internet e redes sociais, já que é impossível deixar de lado o papel das mídias para democratizar a informação e levá-la para um número cada vez maior de pessoas. Se você é natural de uma cidade e quer saber detalhes de sua administração mesmo morando em outro local, pode saber tudo por meio desses recursos.

- Canais oficiais dos órgãos da administração pública, que, em tese, revelam tudo que é pertinente às medidas sociais, econômicas, culturais e demais termos relacionados a uma cidade, estado e a nível nacional. A página no Facebook do Senado Federal é um exemplo dessa comunicação direta e interativa que conta com a participação dos seguidores.

- Métodos alternativos e que mostram detalhes direcionados. São recomendados para um estudo de tudo que complementa esse assunto passo a passo, com informações gerais e atualizadas. São guias, manuais e materiais modernos, como os presentes em cursos EAD, preparados justamente para informar de modo eficiente. O Curso Online Gestão Pública Participativa do Enfoque Capacitação é um exemplo, pois aborda o assunto com diversas visões e conteúdos.

Tanto quanto fazer valer uma gestão democrática de excelência, é necessário entender e ter conhecimento das causas que deseja lutar. Por isso, a qualificação na área vale para todos os interessados, independente de suas ideologias, pensamentos e objetivos. O que deve prevalecer é o desejo de exigir sua participação, garantindo a democracia. Portanto, leia bastante, atente-se às fontes confiáveis e certifique-se com cursos online. Essas opções são perfeitas para se tornar um cidadão melhor e verificar o cumprimento de todos seus direitos.


Quais os desafios de uma gestão pública participativa eficiente?

Embora o plano de gestão pública participativa no Brasil seja inspirador no papel, sabemos que pouco funciona quando se trata de mudanças efetivas. Isso se agrava ao ver que o momento político do país passa por uma crise que não se via há tempos, gerando muitas discussões e protestos. Mas, em termos reflexivos, será que essa não é a melhor hora para pensar em uma gestão pública democrática e de qualidade?

De grosso modo, todas as mudanças só vieram após a revolução. Desde o início dessa década, vemos uma camada muito extensa da população buscando uma reforma política que realmente seja exemplar, sobretudo após a revelação de diversos escândalos de corrupção que assolam praticamente todo o sistema de administração pública do país.

Com isso, muitas manifestações tomaram as ruas e o assunto tornou-se um dos mais populares nas redes sociais. Para os mais otimistas, analisar esses fenômenos é animador e mostra que, finalmente, o brasileiro está parando para se atentar a essa área, que sempre foi dita como ‘’assunto proibido’’ em muitas discussões, assim como religião e futebol. Em termos gerais, é bom saber que o pensamento crítico esteja cada vez mais forte, mas também é fato afirmar que ainda precisa alcançar novos patamares.

Embora a internet tenha dado voz para muitas pessoas, ainda não é comum a todos. Vale lembrar que boa parte da população é humilde e não tem acesso ao básico - como educação e saúde - por isso está longe de se interessar por política. Outra problemática comum é o desinteresse em ações concretas. As discussões válidas surgem, mas não são vistas na prática. A efetivação do voto nas eleições é um dos maiores exemplos disso.

Nas eleições municipais de 2016, as últimas realizadas, a taxa de abstenção, votos nulos e brancos alcançou inéditos 32,5%, segundo informações do Tribunal Superior Eleitoral. Na cidade de São Paulo, 3,096 milhões pessoas ficaram nessa categoria, número acima dos votos do candidato vencedor. São fatos surpreendentes e preocupantes, pois o desinteresse é prejudicial e não agrega em nada para a transformação.

Outro fato para citar como desafio para uma gestão pública participativa de excelência é o fator ideológico, que tem dividido as pessoas entre ‘’esquerda’’ e ‘’direita’’. Esse é o principal debate que vemos atualmente em muitos ambientes, mas que leva mais a perdas do que ganhos. Percebe-se que há mais espaço para o ataque do que para a argumentação, e se torna ainda mais problemático quando os dois lados começam a usar as piores armas para isso, com disseminação de mentiras, dados falsos, entre outros materiais de fontes duvidosas.

É por isso que não dá para se informar em apenas um canal e apenas com a grande mídia. É fundamental estar aberto para diferentes pontos de vista e divulgação de dados. Apenas os meios gerais não são suficientes para isso, logo, buscar novos materiais é primordial, como os cursos online com certificado. Esses guias são ótimos para abordar o assunto como um todo, revelando o que é pertinente em termos de sociedade, e não por ideologias. Você pode fazer cursos a distância em casa, no tempo livre e com a máxima concentração para entender todos os pontos e estudar de modo otimizado com métodos atualizados e excelentes.

Gestão Pública Participativa na prática: é possível mesmo?

Muita gente diz que o Brasil não é um país para amadores. Visto as dificuldades que passamos por aqui, como problemas sociais graves, burocracia em excesso, taxa de impostos entre as mais altas do mundo, corrupção em todos os setores e plano de gestão pública ineficiente, fica difícil acreditar se ainda dá para consertar tudo isso e fazer dessa uma nação no mínimo mais justa e menos desigual.

É válido afirmar que o problema é sistêmico e tem muitos campos a serem considerados, mas o que é pior: deixar as coisas como estão ou tentar ao menos buscar uma maneira efetiva, mesmo que mínima, para mudar velhos parâmetros? Pode parecer difícil e maçante, mas a participação é fundamental, por isso estamos falando do poder da gestão pública PARTICIPATIVA, que só se faz com o interesse e pensamento de progresso.

O governo (em todos os âmbitos) deve ser cobrado sempre, mas a população também precisa ajudar e entender que cada pequeno ato contribui bastante para uma melhoria geral. Nesse contexto, não podemos deixar de citar que existe um projeto interessante quando se trata de gestão democrática: o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), criado em 2003 com o objetivo reunir representantes da sociedade civil na assessoria ao presidente da república, com base no diálogo plural, visando a superação de diferenças e construção de consensos.

Embora preliminar e ainda pouco divulgado, esse é o principal exemplo de que é possível acreditar que uma gestão pública participativa seja totalmente fundamentada e colocada em prática, paralela ao interesse de todas as esferas em buscar nos debates, fóruns e demais canais refletir sobre seus pontos de vista e pensar sempre no que é melhor para o bem coletivo. O que não podemos é parar, como se nada tivesse mais jeito, já que assim não terá mudança mesmo.

Por isso, é primordial pensar que podemos modificar diversas realidades que ainda prejudicam o Brasil em muitos pontos, como a má gestão política que visa apenas seus próprios interesses. Essa é apenas uma visão geral que pode ser complementada passo a passo no Curso Online Gestão Pública Participativa, um guia completo e que revela parâmetros sociais, culturais, educacionais, entre outros. Esse é um dos cursos EAD mais populares do Enfoque Capacitação justamente pela riqueza de detalhes e dados, compartilhados de forma direta e hábil.

Os certificados do Enfoque Capacitação podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Que tal se especializar em Gestão Pública Participativa?

Para começar a agir, é preciso contar com boas ideias, argumentos e pontos de vista diversos que devem ser esclarecidos no geral, entendendo todos os detalhes de uma gestão para pensar em como tornar a participação popular efetiva. Buscar as melhores fontes é essencial, por isso os cursos online são indicados, pois contam com um vasto conteúdo para especialização. 

Tanto o Curso Online Gestão Pública Participativa quanto outros cursos a distância relacionados à política, assistência social, educação, sociologia, direito, administração e as mais variadas áreas podem ser feitos sem limites e mensalidades, investindo um valor único que dura por um ano. Você pode se inscrever no Enfoque Capacitação para contar com essa vantagem e começar a estudar quando quiser, fazendo os cursos online com certificado que agregam conhecimento e ajudam em sua formação pessoal e profissional. Quem não gosta de ficar atualizado e bem informado, não é?

Chegamos ao fim do artigo e queremos saber suas opiniões a respeito da gestão pública participativa. Comente e revele o que pensa sobre esse assunto, ficaremos felizes em saber. Até mais!