Segurança é essencial em qualquer campo de trabalho. Independente da função, muitos trabalhadores estão expostos a riscos frequentemente, o que leva à empresa e órgãos criarem métodos de proteção, minimizando acidentes e eventos atípicos. Quando se trata de hospitais e laboratórios, por exemplo, há uma área fundamental a respeito dessas ações: a biossegurança.

Tanto os profissionais atuantes nesses ramos quanto uma série de pessoas interessadas em saber quais são os procedimentos mais comuns a respeito desse tema podem (e devem) se atualizar sempre, visto que é algo extremamente importante que todos precisam se atentar. Para isso, há sempre muitas palestras, guias de órgãos oficiais e cursos online que podem ajudar bastante.

E para quem está a procura de capacitação em um curso de biossegurança completo e excelente, indicamos o Curso Online Biossegurança – Fundamentos Essenciais, que possui conteúdo exclusivo, aqui do Enfoque Capacitação. A partir dele e de vários cursos a distância do portal, você se mantém atualizado.

Sendo assim, com base nos melhores guias e cursos online do mercado, preparamos este artigo para que você saiba o que é biossegurança, as leis e melhores práticas a respeito desse conceito. Acompanhe e fique por dentro.

O que é biossegurança?

O ‘’bio’’ presente nesse termo leva muitas pessoas a criarem diversas teorias sobre o papel da biossegurança. Será que tem a ver com biologia ou biotecnologia? O que de fato se trata esse campo que muito se fala em ambientes hospitalares, laboratoriais e de estética?

Bom, segundo a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, biossegurança é ‘’a condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente’’.

Ou seja, refere-se às melhores técnicas de segurança dentro de campos específicos a fim de evitar à proliferação de agentes, doenças, contaminações e demais eventos que possam ocorrer pela falta de higiene, descarte indevido ou péssimas condutas que trazem riscos tanto aos funcionários quanto a pacientes, animais, a comunidade em si e o meio ambiente.

Por meio de programas e métodos de prevenção, é necessário eliminar qualquer chance dessas situações acontecerem. Os profissionais que trabalham nos ambientes em que a biossegurança é fundamental (como aqueles referentes à saúde) devem ser os primeiros a seguirem normas e, de maneira alguma, deixa-las de lado. O que acontece, porém, é que devido à falta de informação, muita gente acaba tendo condutas arriscadas. Atos simples como lavar as mãos e higienizar materiais com frequência acabam sendo esquecidos, logo, ocorrem problemas que são difíceis e trabalhosos de serem solucionados.

É por isso que fazer um curso de biossegurança é essencial para qualquer pessoa que atue na área da saúde em si, meio ambiente, indústria, entre outras. Estudando por meio de cursos online com certificado, você se atualiza e ainda conta com um comprovante que pode ser apresentado em qualquer local de trabalho. A vantagem dos cursos EAD é garantir a qualificação e a informação de maneira eficiente e disponível para todos, com meios que facilitam a vida e otimizam tempo.

Classes de risco da biossegurança

Para facilitar o entendimento da área e deixar claro o que é biossegurança, pensando em medidas cada vez mais práticas de destaca-la, o manual da Anvisa, seguindo critérios do Ministério da Saúde, pontua as principais classes de risco de acordo com critérios de patogenicidade, classificados como: alteração genética ou recombinação gênica, estabilidade, virulência, modo de transmissão, endemicidade, consequências epidemiológicas, disponibilidade de medidas profiláticas e tratamento eficaz.

Sendo assim, existem as classes de risco determinadas de acordo com o local, tipo de agente, atividade sobre o parasita e demais elementos que pedem métodos e recomendações especializadas (das simples as mais complexas) dependendo do tipo. Vale esclarecer que essa tabela serve para qualquer ambiente de risco, como já mencionamos aqui.

Classe de Risco I

Refere-se aos microrganismos e agentes que tem baixa ou nenhuma probabilidade de causar doenças em pessoas e animais. Sabe o Lactobacillus casei, aquele que ajuda no funcionamento do intestino e faz parte até da propaganda de produtos que visam ajudar as pessoas com problemas de prisão de ventre e similares? Pois é, ele se enquadra nessa classe.

Recomendação de biossegurança: Usar boas práticas microbiológicas, equipamentos de proteção individual (avental, jaleco, luvas) e manter sempre a higiene das mãos, com pia aberta e produtos específicos sempre à disposição, sobretudo quando se trata de biossegurança hospitalar.

o que é biossegurança

Classe de Risco II

Nesse caso, apresenta risco comunitário limitado e risco individual moderado. Uma pessoa ou animal só será contaminado e afetado por alguma doença caso tenha contato direto com o agente, independente da forma como ocorre sua propagação (contágio, irresponsabilidade, falta de higiene, entre outros). Compõem essa classe as verminoses comuns, como aquelas que causam doenças como a esquistossomose.

Recomendação de biossegurança: sinalizar o risco com placas e demais avisos claros, acesso limitado, barreiras primárias, uso de equipamentos específicos, descontaminação e eliminação correta de resíduos e materiais.

Classe de Risco III

Possui risco individual elevado e comunitário limitado. A exposição causa doenças graves no indivíduo e pode se propagar para outro, entretanto, existem métodos de profilaxia e tratamento para que o agente seja eliminado ou enfraquecido. Podemos citar como exemplo o vírus HIV e da hepatite.

Recomendação de biossegurança: acesso controlado, descontaminação e eliminação de resíduos e materiais, uso de equipamentos necessários, cabine de segurança para coletas e demais atividades, instalações físicas separadas do corredor de acesso, porta com fechamento automático, com pressão negativa na sala e ar não recirculado.

Classe de Risco IV

Traz riscos elevados tanto ao indivíduo quanto à comunidade. São microrganismos de fácil propagação que podem gerar epidemias graves entre pessoas e animais, direta ou indiretamente, sem profilaxia ou tratamento eficientes. Nesse caso, inclui-se o vírus Ebola e vírus de febres hemorrágicas.

Recomendação de biossegurança: Trocar de roupa antes de entrar na sala/laboratório, tomar banho na saída, descontaminação de qualquer material usado na sala, uso de barreiras primárias de acesso, construção separada e isolada da instalação principal e de acesso não restrito, com sistema de exaustão com fornecimento de ar e vácuo.

Classe de Risco V

São os agentes de risco animal e ambiental elevado, que não existem no país e se disseminam rapidamente. Por isso, devem ser tratados e utilizados somente em ambiente laboratorial, seja para testes, pesquisas e estudos, com o máximo cuidado e seguindo à risca todas as regras de biossegurança em laboratórios.

Recomendação de biossegurança: segue as mesmas especificações da classe anterior, porém, com ainda mais cuidado e limitação de acesso. No caso, só adentram à sala os responsáveis pelo projeto/trabalho.

É interessante saber que as restrições são bem descritas justamente para prevenir e evitar qualquer risco tanto para os profissionais que trabalham na área quanto para a comunidade e o meio ambiente em si. Esse foi um panorama geral das classes de risco para seu entendimento, que pode ser aprofundado no Curso Online Biossegurança – Fundamentos Essenciais, um dos melhores cursos online do portal, com conteúdo exclusivo e preparado para que todos tirem as principais dúvidas e se informem sobre um assunto tão sério e necessário.

EPI (Equipamentos de proteção individual)

Para saber o que é biossegurança e colocá-la em prática no cotidiano, é essencial aplicar as melhores condutas e fazer o uso de materiais específicos, conhecidos tecnicamente como equipamentos de proteção individual (EPI), que seguem padrões da norma regulamentadora número 6 de segurança e medicina do trabalho, para que os trabalhadores não estejam expostos a riscos durantes suas atividades.

A lei de biossegurança exige como EPI obrigatórios:

  1. Luvas nitrílicas, de látex ou silicone descartável, sobretudo para enfermeiros que lidam com amostras biológicas e atendem pacientes com doenças contagiosas e outras diversas situações. Já no ambiente laboratorial, são indicadas para todos que manipulam e fazem preparo de reagentes e a lavagem de materiais.
  2. Aventais comuns e impermeáveis, confeccionados sempre com algodão, de manga longa, na altura dos joelhos e usado sempre abotoados. Devem ser lavados e descontaminados após o uso e nunca devem ser vestidos fora do ambiente de trabalho. Importante lembrar que essa regra vale também para os famosos jalecos utilizados por médicos e demais profissionais de saúde.
  3. Máscaras e respiradores para proteção da boca e do nariz contra substâncias químicas e demais partículas, evitando a inalação das mesmas.
  4. Óculos de proteção, protetor facial e sapatos fechados, para evitar impactos e respingos de material biológico sobre a pele.
  5. Kevlar, uma espécie de colete para trabalhar em lugares com temperaturas muito altas ou baixíssimas.

Cursos relacionados que podem te interessar:

EPC (Equipamentos de Proteção Coletiva)

Já os equipamentos de proteção coletiva, como o próprio nome revela, refere-se aos ambientes e materiais que precisam estar sempre à disposição de todos, seja para limpeza, manipulação de resíduos ou armazenamento. Nesse caso, a biossegurança exige como uso fundamental:

  1. Cabines de segurança: são equipamentos que fazem a contenção física dos agentes infecciosos, para proteção dos profissionais durante o uso de substâncias e demais organismos. Devem ficar sempre distantes de portas e com acesso restrito. São divididas em diversas classes, com normas diferenciadas conforme a utilização.
  2. Lava olhos: é um equipamento que facilita a limpeza imediata de olhos e face quando há o contato dessas partes com qualquer tipo de substância e partículas.
  3. Chuveiro de segurança: com acesso facilitado, deve ser usado para limpar roupas e a pele do profissional quando ocorre qualquer tipo de derramamento de material biológico ou substância química. A utilização demanda treinamento especializado para ações rápidas.
  4. Autoclave: realiza a esterilização de materiais por calor eficaz, tornando o uso seguro novamente.
  5. Proteção de linha de vácuo: para evitar contaminação do sistema de vácuo com fluídos derramados e aerossóis.
  6. Garrafas com tampa de rosca: essenciais para o armazenamento correto de líquidos e demais substâncias.
  7. Microincineradores de alça: alças de material plástico estéril, para transferência segura e correta dos mais diversos materiais/agentes.

É interessante saber que existem recursos fundamentais para garantir a proteção e a biossegurança em qualquer ambiente que apresenta algum risco individual ou coletivo. Mais do que isso, é primordial que todos os trabalhadores desses locais estejam aptos a usar e compreender o funcionamento de todos eles, para minimizar qualquer adversidade. Para isso, pede-se que todos passem por treinamentos recorrentes, seja na própria empresa/corporação ou por meio de outros materiais, como cursos online com certificado que, além de deixar todos atualizados, ainda garante a documentação de todo esse conhecimento.

Biossegurança Hospitalar

Hospitais são os principais locais que precisam seguir as leis de biossegurança, justamente porque são os mais propensos à proliferação de agentes patológicos e contaminações devido às enfermidades diversas. Independente se é saúde pública ou um clínica particular, todos os funcionários devem estar cientes das normas de biossegurança hospitalar para que não executem atividades arriscadas e que podem levar a condições sérias.

Você já deve ter ouvido falar em algum caso de infecção hospitalar por aqui. Segundo a Fiocruz, com base em dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a taxa dessas contaminações no Brasil é de 15%, acima dos Estados Unidos e da Europa, que alcança 10%. Causadas por diversos microrganismos, sobretudo bactérias, gera danos graves e se torna um problema de saúde pública que precisa ser controlado imediatamente.

Logo, é necessário tanto colocar em prática as regras e saber o que é biossegurança em todos os aspectos quanto orientar pacientes, acompanhantes e até a população em si. Um trabalho de conscientização ajuda a estancar esse número e garante que todas as normas da Anvisa sejam cumpridas. Esse é o principal objetivo do nosso artigo e do Curso Online Biossegurança – Fundamentos Essenciais, o guia essencial não apenas para os estudantes e profissionais da área, mas também para todos os interessados em se informar e qualificar com os melhores cursos EAD do mercado.

Além dessas opções, o Ministério da Saúde também disponibiliza para todos os usuários um manual de biossegurança hospitalar na saúde, com os métodos e estratégias mais indicados para que todas as ações sejam efetivas. Para isso, existe inclusive um órgão próprio, a Comissão de Biossegurança em Saúde (CBS), instituída pela Portaria GM/MS nº 1.683, de 28 de agosto de 2003, atuando principalmente nas instituições do SUS (Sistema Único de Saúde).

Os certificados do Enfoque Capacitação podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Biossegurança Laboratorial

Quando se trata de biossegurança em laboratórios, os procedimentos seguem linhas rigorosas e ainda mais restritas. Você já assistiu algum filme da franquia Resident Evil? Pois é, a Umbrela Corporation, o principal cenário do longa/jogo, é um laboratório que produz armas biológicas e conta com o máximo da tecnologia. Mas, mesmo com tantos recursos, foi responsável por uma infecção grave que atingiu a população. Nossa dica é que você assista e perceba, em termos de biossegurança, como o tema é retratado na produção.

Agora, se tratando de níveis reais, os laboratórios brasileiros devem seguir as regras de Biossegurança e Condutas em Laboratório, como o Programa de Prevenção de Risco Ambiental (PPRA) e as Boas Práticas em Laboratório Clínico (BPLCs), também descritos pelas normas regulamentadoras da segurança do trabalho e da Anvisa, que incluem higiene, transporte, armazenamento, utilização de cabines, limpeza geral e eliminação de resíduos.

Um profissional que atua nesses espaços precisa ter em mente que deve passar por um forte treinamento sobre biossegurança em laboratórios para que esteja preparado e apto a trabalhar e realizar as tarefas com a máxima proteção, para si mesmo, para os colegas e todo o local. Ah, é também é importante saber como agir em caso de acidentes e procedimentos de primeiros socorros, afinal, eles podem acontecer devido a diversos fatores. Nesses casos, conhecimento é fundamental, logo, vale se atualizar com as mais diversas ferramentas, como os cursos a distância.

Curso de biossegurança: comece a se atualizar agora

É importante esclarecer que a biossegurança também é essencial quando se trata de outras áreas além do hospital e ambiente laboratorial, como da beleza e estética, por exemplo, sobretudo na esterilização, descarte e limpeza de materiais. No nosso Curso Online Biossegurança – Fundamentos Essenciais, explanamos todas essas recomendações.

Esse curso de biossegurança, assim como demais cursos a distância do campo da saúde em si, podem ser feitos por você no Enfoque Capacitação investindo um valor único de R$ 69,90 que é válido por um ano. São mais de 650 cursos online com certificado à sua disposição, que já conquistaram mais de 160 mil alunos.

Aproveite os benefícios e inscreva-se agora. Estudando com os melhores cursos EAD do mercado, você dá um upgrade na sua qualificação e ainda se mantém informado e atualizado sobre variadas áreas e assuntos. Comece já e não deixe de comentar e compartilhar o artigo. Até mais.